domingo, 11 de março de 2012

Extrato da Capo #017: PONTOS DE LUZ CONVERGENTE


Céu Estrelado e Corriscos

BOSCO ESMERALDO
Ao Ritmo Canzoneto Lapidado.

Pontos de Luz, luzes cintilantes, dispostas lá no Alto;
Piscantes, reluzentes, outros mundos sugerem;
Riso estelar, harmonia de poder, equilíbrio sideral;
Desfazes as trevas, noite estrelada, pingos reluzentes.

Chuva cadente de luz, gélido esplendor, noite piscante
Qual se quisesse, poeticamente me paquerar,
Flertes em piscas, no canto do olho, fisgou o poeta.

Tentei saber, decodificar qual código morse;
Cada mensagem, de cada estrela, luzidamente;
Fiquei perplexo, vislumbrando os nexos, sem delirar.
Coriscos espargem seus raios fúlgidos mesmo sem nuvens;

Pontos de luz, confidenciou pura verdade,
Piscantes falas, lustroso ouvir, ditado nédio,
Qual código morse, decodificam o Amor do PAI.

Enquanto a noite ninava a Lua, entre os seus quartos,
Cheia minguante, nova crescente, de novo cheia.
O Sol dormita, forte ficando pra um novo dia.
Nesse compasso, ele espreguiça, cosqueia a barra

Do horizonte, acende a tênue luz, grã maçarico;
Num bocejar, incandescente prorrompe a aurora;
Um novo dia, sol irradia, que o PAI nos dá.

Um comentário:

Claudio Poeta disse...

Nossa! - Bosco, que coisa linda! - Belíssimo trabalho! - Parabéns, meu amigo! - Abração

Poesias - O melhor da WEB

Total de visualizações de página

A Hora Certa

Mapa de acesso de Visitantes X Localizações

Mapa de Acesso de Visitantes X Localização
Visitors X Location Map
ip-location